A famosa e não desejada dor nas costas, no lombo ou na parte baixa da coluna vertebral é uma situação muito comentada e percebida por milhares de pessoas no mundo todo.

Adultos jovens ou mesmo quem já alcançou os 60 anos e também os adolescentes sabem quais são as limitações físicas, sociais e até emocionais que uma dor nas costas pode trazer.

Não importa também se é magro ou gordo, alto ou mais baixo, sedentário, atleta ou fisicamente ativo. Os estudos mostram que nas sociedades industrializadas a lombalgia acomete entre 70% a 80,5% da população em ambos os sexos, sendo que o maior índice de pacientes são mulheres entre 22 a 45 anos de idade.

Então lombalgia é a dor aguda ou crônica na região da coluna lombar. Ela pode ser dos dois lados da coluna ou de um único lado das costas e ser referida até os glúteos.

Na maioria dos casos a lombalgia é mecânica, ou seja, é desencadeada por algum esforço exigido em atividades do trabalho, esporte ou mesmo da vida diária.  Ou mesmo os vícios posturais e a falta de bons hábitos com a coluna é capaz de desencadear uma lombalgia.

A boa notícia é que as dores de fundo mecânico são tratadas com movimentos recuperadores e estabilizadores da coluna, correção de postura e mudança de hábitos no dia a dia.

Já a lombalgia de fundo inflamatório, reumático e até tumoral (para a nossa felicidade são casos bem raros) há sempre a necessidade de acompanhamento médico e a melhora pode ser mais demorada.

Quando a dor lombar é acompanhada por um formigamento, anestesia ou dor em uma das pernas temos os casos de lombocialtalgia, onde possivelmente o ciático, o maior nervo do nosso corpo está também sendo afetado.

Um ponto importante que preciso destacar aqui é o significado da palavra algia. Se buscarmos nas fontes dos dicionários disponíveis no Brasil o sufixo algia significa dor num órgão ou numa região do corpo, sem corresponder à lesão anatômica.

O que isto quer dizer? Ah! Se estou sentindo dor na coluna lombar e fui diagnosticado com lombalgia quer dizer que além da dor estou com uma lesão na coluna??? NÃO, necessariamente.

Significa que precisamos identificar e tratar as causas desta dor, agir nos fatores que podem estar desencadeando os sintomas e se preparar para ter o controle sobre seu corpo, sobre sua postura e mais especificamente controle sua atitude frente a um episódio de lombalgia.

Segundo os conceitos baseados na metodologia Mckenzie a lombalgia pode estar relacionada a 3 subgrupos diferentes:

A Síndrome Postural onde a lombalgia é causada por sobrecarga nos tecidos da coluna sejam eles músculos, ligamentos e articulações. Aqui os famosos vícios posturais são capazes de causar dor e o simples fato de se movimentar, mudar de posição ou dar aquela espreguiçada pode abolir a sua dor totalmente. Normalmente esta síndrome acomete os adolescentes e pessoas muito jovens e até as nossas crianças estão começando a se queixar também. Será culpa do uso excessivo dos tablets ou celular? Ou porque as crianças estão se movimentando e brincando menos do que há 20 ou 30 anos atrás. Um ponto a se pensar…

O outro subgrupo segundo os estudos de Robin Mckenzie é a lombalgia causada por Desarranjos intra-articulares. Desequilíbrios, micro lesões nas articulações da coluna e nos discos intervertebrais são capazes de desencadear uma dor muito forte e limitante, é o que chamamos de lombalgia aguda. E apesar de ser uma experiência muito desagradável, não é o caso de se desesperar ou correr para a cirurgia. Os movimentos ficam limitados por uma obstrução na articulação e o melhor caminho para encontrar o alívio e a solução deste problema é realizar posturas ou movimentos que vão trazer o equilíbrio de volta e a partir deste momento ter a consciência corporal e a consciência de que a sua coluna merece alguns hábitos saudáveis para evitar crises recorrentes como a primeira.

E por último a metodologia Mckenzie classifica os casos de lombalgia causados pela Disfunção. Aqui são situações de estiramento em um tecido que está encurtado na sua estrutura. De uma forma mais clara para você entender: os nossos tecidos da coluna quando sofrem uma lesão podem ficar com uma cicatriz (igual a que ficamos quando temos um corte no braço ou na perna) e esta cicatriz interna de algum ligamento, músculo ou tendão pode causar dor quando ele é alongado ou sofre uma sobrecarga.

Não se preocupe em descobrir qual é o seu diagnóstico mecânico. Só guarde por enquanto a seguinte informação.

A lombalgia tem solução. Os melhores caminhos são o movimento, o exercício e o foco na solução.

Fazer o que te dá prazer, estar bem emocionalmente, ter uma boa noite de sono, praticar uma atividade física regular são bons conselhos se você quer ficar longe das dores.

Lamentar a dor, achar que o seu caso é complicado ou que o repouso irá lhe ajudar só vai lhe distanciar da liberdade de viver sem dor.

Por hoje vou ficando por aqui.

Prometo ainda escrever:

. a diferença entre lombalgia aguda e crônica .

. as principais ferramentas de alívio da lombalgia mecânica.

Um grande abraço,

Cristiane Lage

Certificada MDT (Método Mckenzie de Avaliação e Tratamento da Coluna e Articulações).

—————-

Referências Bibliográficas:

  1. ANDRADE et al., 2005; GASKELL et al., 2007; LUCA et al., 1999; TREVISANI; ATALLAH, 2003).
  2. pt, pesquisa realizada em 29/11/17)

3.    José Jean de Oliveira ToscanoI; Evandro Pinheiro do EgyptoII. A influência do sedentarismo na prevalência de lombalgia. Rev Bras Med Esporte vol.7 no.4 Niterói Jul./Aug. 2001.

  1. May and Aina (2012)
  2. MIATELI R e VENTURA F, 2008. Universitas: Ciências da Saúde., Brasília, v. 6, n. 2, p. 159-168, jul./dez. 2008 Lombalgia: revisão de conceitos e métodos de tratamentos
  3. Santos AC. O exercício físico e o controle da dor na coluna vertebral. Rio de Janeiro: Medci,1996

Werneke et al (1999, 2005, 2008)

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.